2005-01-11

Catástrofes

Ando a ler o livro Uma Breve História de Quase Tudo, de Bill Bryson. Trata-de de um escritor de livros de viagens com muito sentido de humor, e que resolveu meter ombros à tarefa de descrever a história das descobertas científicas de quase todas as áreas.

Documentou-se imensamente, visitou e entrevistou inúmeros cientistas, para poder fazer essa história simultaneamente correcta e interessante de lêr. Ao longo do livro, conta muitas curiosidades e histórias pitorescas sobre aqueles que fazem da ciência a sua vida.


Ao longo do livro, vamo-nos dando conta de inúmeras catástrofes que andam por aí à espera de acontecer, e que podem ter consequências impensáveis. Vulcões que podem explodir a qualquer momento (como o de Yellowstone, nos EUA, com um diâmetro de 65 kms que curiosamente costuma explodir de 600 mil em 600 mil anos, mais coisa menos coisa, e que já não o faz há 630 mil anos), os movimentos tectónicos, meteoritos que podem arrasar vastas extensões (como o que arrasou parte da Sibéria em 1908), a possibilidade de mudança de sentido de rotação do núcleo líquido da terra (que já aconteceu 200 vezes ao longo da história do nosso planeta, e que acarreta consequências desastrosas), etc, etc...
Sentimo-nos verdadeiramente pequenos, e somos devolvidos à nossa condição de contingências insignificantes, em termos planetários.


Entretanto, cá andamos nós. A discutir listas e penalties.